domingo, 26 de fevereiro de 2012

A breve história de uma marca


A coreana Hyundai apresentou no final do ano o Azera 2012.

De uma maneira bastante simples (e esteticamente perfeita) mostrou o "novo": compondo uma relação temporal, vai descortinando o desenvolvimento do carro pelos anos, por meio da ultrapassagem de uma geração pela outra.

Exemplo de raciocínio criativo interessante e direto.

Acompanhe no comercial, abaixo.

video

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Muitos bytes de crescimento

O Brasil é o 3º. maior mercado de computadores do mundo, logo atrás da China e dos Estados Unidos.

De acordo com a consultoria IDC Brasil, em 2011 foram vendidos mais de 15 milhões de computadores, sendo 55% de notebooks/netbooks. Do total, 70% foi comprado para uso doméstico.

O espaço que se abre para as marcas é muito promissor. Com crescimento médio de 15% nos últimos anos (houve queda nos nets), ainda há espaço para a consolidação das marcas, em especial as consideradas premium.

É que o Brasil é o 3º. maior mercado do mundo também por habitante, atrás de India e China.

sábado, 11 de fevereiro de 2012

Histórias que não são suficientes

Assistido por 110 milhões de pessoas, o comercial da agência Deutsch LA "The Dog Strikes Back", abaixo, tentou conseguir uma ligação com o campeoníssimo "A Força", de 2011.

Considerando que o sucesso do comercial do ano passado se deve às diversas comunidades de fãs de Star Wars e, em seguida, ao apelo das redes sociais, pareceu ser impensável a desconexão entre os dois.

No entanto, a agência a fez de maneira "torta": a primeira parte composta de um filme em que um cão se exercita para conseguir acompanhar o VW Beetle e que, ao final, mostra ser parte de um comercial visto por alienígenas.

Um deles diz que gostou mais do comercial atual, quando é "agredido" pelo personagem principal do comercial anterior.

Acompanhe e opine.


video

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Marcas que jorram dinheiro

A notícia da semana se refere ao mais novo milionário do facebook. Que não é empregado, nem investidor, mas grafiteiro.

David Choe decorou o primeiro escritório do facebook em 2005 e aceitou receber o pagamento em ações. Agora pode levar até US$ 200 milhões, com a entrada da empresa na bolsa de valores.

Na ocasião, o grafiteiro achou a ideia da rede social “ridícula e sem sentido”. Hoje a marca vai fazer o seu "pezão de meia".

Recentemente, visitou a nova sede do Facebook, em Menlo Park, para pintar uma parede, e teve a companhia de Mark Zuckerberg. Assista ao vídeo no endereço:
http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=QfV665kWoSg

As fotos abaixo mostram o milionário, elevador, escadarias e a cafeteria do facebook.