sábado, 28 de agosto de 2010

Promessa para as marcas: melhor cumprir

Algumas marcas têm prometido mais do que cumprem. No longo prazo, isto é fatal para a sua sobrevivência. Porém, à custa da crença das pessoas na publicidade, a marca se desenvolve e, não fossem órgãos fiscalizadores, manteriam seu sucesso.

No Brasil, as chamadas pulseiras bioquânticas terão suspensas suas propagandas por força da ANVISA. A original, americana, atende pelo nome de Power Balance e a brasileira é a Life Extreme.

Estas pulseiras prometem equilibrar e ativar a circulação sanguínea por meio da “otimização da fluência energética natural do corpo” (site da PB).

Chamados pela Folha de São Paulo, um professor de física e um de educação física deram pareceres semelhantes: “é charlatanismo quântico” e “não há explicação científica para isso. Holograma não emite onda”.

Marcas podem se tornar perenes, mas nunca imunes à enganação.





sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Todos se rendem ao poder das marcas

Quando uma marca se transforma em objeto de desejo, resultados surpreendentes podem acontecer.

A Apple, que tomou a ponta na indústria tecnológica, com valor aproximado de US$ 221 bi, é uma marca que ultrapassa constantemente seus limites: mesmo sem ter os produtos mais avançados, em um setor onde isto é o que interessa, consegue fila de espera por eles.

Em recente entrevista no “Larry King Live (CNN), em companhia do seu pai, até Bill Gates se rendeu ao fascínio da marca: “A Apple teve a mesma visão da Microsoft, a de criar produtos de baixo custo que fossem fáceis de usar”.

Não por coincidência a visão da Apple é “O homem não deve se submeter às máquinas”.

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Promoção que prova o que promete


As panelas da marca Supor prometem ao consumidor serem antiaderentes: o alimento fica soltinho, sem grudar no fundo.

Para provar sua eficiência, montaram um half pipe em Xangai, tendo o cuidado e a criatividade de colocar uma foto gigante da panela na frente.

Isto fez com que as pessoas vissem camarões, filés de peixe e vegetais saltando na panela, dando a impressão esperada: a Supor é antiaderente. As fotos a seguir e o vídeo comprovam.

A ação foi estrategicamente pensada para que os consumidores "experimentassem" o produto, o que no Brasil denominamos comumente de ação de sampling.

video

sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Promover o inusitado por meio do óbvio

Um carro esportivo sempre chama a atenção. Se for das fórmulas 1 ou Indy, é notícia na certa.

Uma sofisticada loja de louças de Toronto colocou um carro de Fórmula Indy em frente às suas vitrines, aproveitando a passagem do evento pela cidade.

Já sendo inusitado o fato de conectar louça com corrida, se tornou ainda mais atraente pelo fato do carro estar sobre uma xícara de chá. Fotos a seguir. Impressionante!

O uso da inteligência, do conhecimento de aspectos da Física e alto senso de oportunidade, permitiram à loja se tornar notícia antes e depois do evento.

E a marca se consolidando como inovadora, mesmo trabalhando com bens tradicionais.